ANÁLISE POTRO DO FUTURO ABQM, OS MELHORES DA DÉCADA!

Hoje, o Potro do Futuro da ABQM é uma das provas mais importantes e tradicionais dos 3 tambores. Este ano, a prova acontece pela 39ª vez e conta com competidores do Brasil inteiro.

Ao passar dos anos aparecem novas linhagens, competidores e tecnologias, fazendo com que a modalidade esteja em constante evolução e crescimento. Para avaliar a evolução dessa prova em específico, analisamos os resultados tomando como base os 10 primeiros colocados da categoria Aberta Livre dos últimos 10 anos (2008 a 2017).

De início, avaliamos a quantidade de inscrições, onde, no geral, percebemos que houve uma brusca oscilação entre 2008 e 2012, com uma queda significativa no número de inscrições, mas parte disso se deu por conta das subdivisões da classe aberta, criadas em 2009 com a criação da categoria “Aberta Castrados”, junto com a mudança do evento de Bauru/SP para Avaré/SP, onde se permaneceu até 2017. Posteriormente, em 2011, foi criada a Aberta Light, inicialmente para competidores com até 50 pontos de RMT.

Analisando a evolução dos tempos dos conjuntos ganhadores, percebe-se uma constante evolução! Há 10 anos, o Potro do Futuro foi vencido com 17s860 por Vagner Simionato e ST Sugarobby (Hobby Top Cody x Sugarokie, por Okie Easterwood), o que hoje seria impossível de se imaginar, visto que o tempo de corte em 2017, por exemplo, foi de 17s528 e o tempo do campeão foi 16s942 por ST Fameleo (Dash Ta Fame x ST Analeo, por Shady Leo), baixando quase 1 segundo nesses 10 anos!

Abaixo, listamos os 10 potros mais rápidos da década, onde vemos a supremacia da linhagem de corrida, estando presente no sangue dos 10 animais, 5 deles com linhagem fechada em corrida e 5 com linhagem corrida x trabalho (dados apenas das finais do Potro do Futuro categoria Aberta Livre):

Um dos pontos mais importantes para se levar um potro a chegar entre os 10 melhores é o treinador, que é o grande “professor”, responsável em ensinar tudo para o potro, com paciência para chegar em Outubro e fazer um bom trabalho. Por isso o título de Campeão do Potro do Futuro ABQM é um dos mais sonhados entre os treinadores, é algo que começa na seleção do potro, passa pela doma, treinamento e, depois de 2 anos trabalhando, chega a tão sonhada prova, onde o treinador e o potro precisam estar em perfeito estado e sintonia. Não é à toa que é muito raro se ver o mesmo competidor ganhar essa prova por 2 anos consecutivos.

Entre os competidores, o de maior destaque durante a última década foi Lauri Gularte, ficando entre os 10 melhores colocados por 6 vezes nos últimos 10 anos! Lauri Gularte venceu em 2010 e foi res. Campeão em 2011 e ficou em 4º Lugar em 2016!

O segundo melhor é Marcos Monzinho, ganhador em 2012 sob a sela de Fofinha Fly 4M, e com 4 colocações estão os competidores Edson Carlos Santos, Daniel Araujo e Sidnei Jr, ficando à frente de André Coelho, Rodrigo F. de Oliveira, Claudio Muniz e Valdemir Sidrone, que já ficaram entre os TOP10 por 3 vezes.

Apenas 20 consagrados competidores no Brasil inteiro conseguiram ficar entre os 10 melhores na última década por 2 vezes, sendo que os únicos a entrar entre os 10 com 2 animais foram:

- Lauri Gularte em 2008 montando GF Shady Fama (Haidas Little Doc x Fama de Ibira, por Shady Leo) e Bid's Moon PTF (Moon Peppy'S Lil TMR X Miss Grace Daddy, por That's My Bid);

- Daniel Araújo em 2010 sob a sela de Instant Success LW (Shady King Times EK x SS Paloma KRB, por Sucesso SKR) e Lady King Times EK (Shady King Times EK x Hit Lady Hed, por Leo Cath Bid);

- Abelino Araújo (Fio) em 2013 sob a sela dos irmãos ST Vanita Fly (Fishers Fly x ST Cajuina, por Shady Leo) e ST Mister Maker (Fishers Fly x ST Vikita, por Shady Leo);

- Edson Carlos Santos em 2017 sob a sela de Juliet On Cap (Tres Seis X Fish On Cap, por Fishers Dash) e ST Vikita (Victory Fly VM X St Sukita, por Trouble Two Times).

Outra grande discussão que se inicia antes mesmo de o futuro campeão nascer, é em relação à linhagem. Qual linhagem usar? Qual garanhão ponho em minha égua? Qual potro tem uma linhagem mais específica para os 3 tambores? Corrida, trabalho ou trabalho x corrida? Na última década isso vem mudando muito, 10 anos atrás, a grande maioria era linhagem 100% de trabalho, o que começou a mudar a partir de 2007, com uma maior inserção do cavalo de corrida nos 3 tambores, que já vinha sendo feito de forma gradativa, e o que temos hoje é uma linhagem específica para o tambor, baseada, principalmente, nos pilares da Corrida.

Após 2008 o número de animais fechado em trabalho foi caindo, entre 2014 e 2016 não se teve nenhum animal fechado em trabalho entre os TOP10 e em 2017 apenas 1 animal, Once Sana Doc, filho da super produtora Belle Sana Lince e Once Pistol Peppy G, que ficou na 10ª colocação sob a sela de Ordeli Charkes Gomes “Lili”.

Como o principal hoje é a busca pela linhagem de tambor, o sangue de trabalho continua vivo na genética atual entre os melhores cavalos do Brasil, principalmente pelo sangue da lenda Shady Leo, que é o maior avô de 3 tambores da última década, colocando 9 netos por parte de mãe e 11 netos por parte de pai entre os 10 melhores do PF Aberta Livre (20% dos animais analisados possuem o sangue de Shady Leo na 2ª geração), além de outras linhagens importantes como Trouble Two Times e Mr Jay Bee Dee, que compõem a 2ª geração do sangue de outros 16 potros!

Como avô materno, quem está atrás de Shady Leo é o americano Dash Ta Fame, mostrando que não é